fbpx
Ensinando Inglês – Série “Estágios de uma aula de inglês com foco em gramática”

Ensinando Inglês – Série “Estágios de uma aula de inglês com foco em gramática”

Compartilhar:
Stages of a grammar lesson - PART 1 Lead-in

Assista no Youtube: https://youtu.be/PgH709v1aeY

Assista no Youtube:

Esta Série “Estágios de uma aula de inglês com foco em gramática” é composta de 7 partes, onde será abordado os estágios do início ao fim de uma aula de inglês com foco em gramática.
O objetivo desta Série é enfatizar a importância de cada estágio de uma aula, com foco no aluno. Assim como, apontar minhas observações sobre o Ensino de gramática, baseado nos meus 25 anos de experiência como treinador de professores, CELTA e DELTA Tutor.

Nesta série será somente abordado os estágios de aula com foco em gramática. Os estágios para as demais estruturas de aula, como receptive skills lessons, writing lessons e etc, serão discutidos em outras séries, na sequência desta.

Antes de mais nada, quem é o protagonista da sala de aula? Os alunos. Obviamente! Logo, para cada estágio eu irei apontar os benefícios para os alunos quando aplicado adequadamente os estágios de uma aula.

PART 1 – Lead-in – Estágios de uma aula de inglês com foco em gramática
Para começar, em meu entendimento, existem 4 ingredientes que devem ser usados para que um lead-in funcione de forma efetiva. Esses ingredientes trabalham de forma concomitante e não individualmente. Cada um com seu propósito para atingir os objetivos deste estágio. São eles:
• Setting the context of the lesson.
• Creating and gauging students’ interest in the topic of the lesson
• Diagnosing students´ knowledge of the target language through the lead-in.
• Using the lead-in as a warmer

Por conseguinte, é importante não priorizar um ou outro ingrediente e sim aplicar os 4 ingredientes conjuntamente para obter uma atividade de lead-in efetiva.
Frequentemente, a maioria dos professores é ótima em Setting the context of the lesson e em Creating and gaunging students’ interest in the topic of the lesson. Em geral, é muito interessante de ver como tem sido aplicado na apresentação do conteúdo, atividades com fotos, videos, games, etc.
Por outro lado, não são muito bem explorados: Diagnosing students´ knowledge of the target language through the lead-in e Using the lead-in as a warmer

Por isso, não irei explorar os dois primeiros tópicos. Falarei sobre os outros 2 ingredientes que não são muito bem explorados.

Tenho visto algumas falhas quanto ao uso do lead-in como Warmer e para Diagnose students’ knowledge, em relação à gramatica a ser aprendida.

Using the lead-in as a warmer

Vamos ver primeiro a aplicação do lead-in como Warmer:
O que geralmente ocorre é que o professor conduz uma discussão aberta no início da aula (Open class discussion), o que pode incluir fotos e anedotas, etc.
No entanto, o problema em iniciar uma discussão aberta é que existem muitos poucos alunos que participam desta discussão e, os alunos mais tímidos raramente participam.
Nessa perspectiva, como o lead-in é a primeira atividade, é importante que seja feito um aquecimento com os alunos com a língua alvo, neste caso, em inglês. Em outras palavras, temos que fazer com que os alunos se interajam uns com os outros e maximizem esta oportunidade o mais cedo possível.
Após estímulos iniciais, usando questionamentos e visuais, por exemplo, é crucial que os alunos sejam guiados a fazerem a atividade em dupla ou pequenos grupos.
O porquê isso é crucial? Desta forma, não somente os poucos descolados ou confiantes alunos irão participar, mas todos participarão.
Afinal, a aula é para todos e não só para aqueles que não são tímidos.
Por isso, pense como você poderá maximizar a participação dos alunos, no início. Isso envia um claro sinal para os alunos – são eles que estão trabalhando para o aprendizado – e isso facilita com que eles tenham uma melhor participação nos estágios seguintes.

Diagnosing students´ knowledge of the target language through the lead-in.

Sob o mesmo ponto de vista, vamos falar sobre o outro ingrediente mal explorado, The diagnostic lead-in:
Frequentemente, eu digo aos meus professores: “Não ensine o livro, ensine os seus alunos”.

Não estou dizendo que não é importante usar um livro. NÃO! Claro que é importante seguir um livro. O que quero dizer é que se você não diagnosticar o conhecimento do aluno sobre o que você quer ensinar, seus esclarecimentos não serão eficientes.
Via de regra, eu vejo o lead-in usado como um tópico relacionado à atividade, em que cria-se um interesse no conteúdo da aula, mas, frequentemente, se falha em diagnosticar o conhecimento dos alunos em relação ao que se pretende ensinar.
Consequentemente, o professor acaba esclarecendo a gramática em questão com pouco conhecimento do quanto é necessário se aprofundar, por não reconhecer quem tem uma noção ou não do que ele está prestes a esclarecer.
Além disso, eu também vejo atividades de lead-in que direcionam para o que se pretende ensinar, mas que não funcionam como Diagnostic lead-in.
Isso ocorre quando o professor inicia a aula contando uma pequena anedota, usando repetidamente a estrutura gramatical que se tem como objetivo ensinar.
Em seguida, questiona os alunos, usando exatamente a mesma estrutura gramatical e, logo, está satisfeito de ouvir os alunos responderem usando a estrutura gramatical esperada.
Entretanto, após usar uma estrutura gramatical repetidamente e fazer perguntas usando a mesma estrutura, não será surpresa que os alunos irão responder, usando a estrutura gramatical tantas vezes repetidas.
Dessa maneira, isso significa que os alunos agora sabem usar a gramática pretendida ou eles estão simplesmente repetindo como papagaios a estrutura usada pelo professor continuamente?
Ao repetir como papagaios, não, necessariamente, significa que os alunos saibam o significado do que eles estão falando.
Como resultado, esse tipo de abordagem dá um falso sentido de realização aos alunos e, ao professor, uma falsa impressão de que os alunos aprenderam.
Neste caso, o lead-in não funciona como um Diagnose. Ao contrário, faz com que se torne quase impossível de mensurar o real conhecimento dos alunos e o que eles realmente entenderam.

Em contrapartida, ao fazer o Diagnose, o professor tem como oferecer uma aula mais eficiente e, como resultado, um aprendizado melhor elaborado, conforme as necessidades dos alunos. Consequentemente, eles estarão mais envolvidos e motivados a continuar.
Todos os ingredientes trabalhando em conjunto
Em síntese, neste estágio de aula de inglês com foco em gramática, todos os 4 ingredientes para o lead-in trabalham conjuntamente:
Apresente anedotas, fotos, vídeos para contextualizar a gramática que irá ensinar; crie interesse sobre o assunto; faça os alunos trabalharem em duplas ou pequenos grupos , enquanto você analisa o conhecimento dos alunos do que se pretende ensinar.
No entanto, evite usar a estrutura gramatical pretendida antes de iniciar a atividade ou nas instruções. Assim como, não faça nenhuma correção nas tentativas dos alunos do uso da língua alvo, durante o feedback desta atividade.
Baseado nisso, o professor terá um entendimento maior sobre a noção dos alunos referente a língua-alvo, possibilitando-o de usar esta informação para decidir:
 De que forma irá esclarecer a gramática;
 O quanto poderá se aprofundar;
 Qual aluno escolher para extrair uma resposta, evitando chamar os mais ativos;
 Quais elementos da gramática poderá se trabalhar com maior profundidade;
 Quem fará par com quem para trabalharem juntos.

Para finalizar, Tenha em mente que quando se trata dos 4 ingredientes, não se tem que priorizar um ou outro. Todos os 4 ingredientes são importantes e trabalham concomitantemente para um bom resultado.
Boa aula!

Bjarne Vonsild

Qualifique-se como professor de inglês. Obtenha a Certificação CELTA https://targetlanguage.com.br/cambridge-celta-online/

Compartilhar:
12 Dicas para o exame IELTS que aumentará seu score

12 Dicas para o exame IELTS que aumentará seu score

Compartilhar:

Neste post, vamos dar 12 dicas importantes para o exame IELTS que irão ajudá-lo(a) na hora do exame a ter mais confiança e aumentar seu score.

As dicas são para os 4 testes do exame IELTS: Reading, Listening, Speaking e Writing.

Nossas 12 dicas para o exame IELTS 

Dicas para o teste de reading:

1. Otimize seu tempo na hora da prova

Assegure-se de que esteja familiarizado com as questões a serem respondidas a cada sessão da prova, ou seja, leia primeiro as perguntas antes de iniciar a leitura do texto.

Para ganhar tempo, na sessão de perguntas numeradas, as respostas estarão em sequência, na ordem das perguntas. Assim, responda as perguntas, conforme for lendo o texto.

Na prova poderá ter uma sessão de associar títulos com parágrafos. Os títulos serão representados por letras. Neste caso, as respostas não estarão em ordem sequenciais.

2. Pratique leitura com controle de tempo

Geralmente os candidatos subestimam esta parte do teste por considerarem a mais fácil. Porém, um dos desafios para fazer bem esta parte da prova é o controle de tempo.

Você terá que ler 3 textos de aproximadamente 700-1000 palavras cada, responder a todas as perguntas e transferir as respostas para o gabarito no tempo de 1 hora.

3. Leia textos pertinentes ao exame

Geralmente os candidatos ficam confusos pelo fato de acharem que entenderam o texto na hora do teste, mas se surpreendem ao encontrarem dificuldades em responder às perguntas dadas.

Isso ocorre porque no exame IELTS há diferentes tipos de tarefas a cumprir que requer habilidades específicas de leitura.
Por isso, você deve praticar a leitura, para fazer o teste, lendo artigos científicos, no caso do exame Academic , e artigos de contexto geral para o exame General. Você poderá desenvolver melhor esta parte da prova praticando a leitura e respostas de exames anteriores. Veja exames anteriores

Dicas para o teste de listening:

4. Você ouvirá o áudio apenas uma vez

O áudio será reproduzido somente uma vez e as respostas estarão de forma sequenciais as perguntas.
Você terá 30 segundos antes de iniciar o áudio, para se familiarizar com as perguntas.

5. Antecipe as informações do áudio

Ao ler as perguntas, especule que tipo de informação poderá ser dada no áudio. Por exemplo, no exercício de preencher lacunas, o que deverá ser preenchido? Um número, um verbo, um nome ou, etc.

Faça esta prática quando estiver estudando em casa, na sala de aula e no grande dia do exame.

6. Erros que farão você perder pontos

Após finalizar o áudio, você terá 10 minutos para transferir suas respostas para o gabarito. As respostas devem estar escritas corretamente, conforme as variantes do inglês britânico, americano, australiano e canadense.

Se houver erro de ortografia, a questão será considerada errada.

Para garantir, se a resposta for um número, prefira escrever 70, em vez de seventy. Isso é aceitável e será mais fácil.

Ao preencher as lacunas, preste atenção na instrução sobre o limite estipulado de palavras em cada exercício. Se você exceder o limite de palavras permitido, a questão será considerada errada.

Dicas para o teste de speaking:

7. Corrija-se ao falar

Se você perceber que cometeu algum erro e que pode corrigi-lo, interrompa e reformule o que disse. Por exemplo, se você disser: “I pretend to go to Canada”(wrong), rapidamente, diga: “I mean, I intend to go to Canada”(correct).

8. Priorize sua mensagem e fluência

O examinador do IELTS irá considerar mais, se você se arriscar em tentar passar sua mensagem da forma que sabe, do que se ficar em silêncio procurando achar uma palavra específica.

Para ganhar tempo para pensar em uma resposta, procure expressões para preencher o silêncio, como por exemplo: “That is an interesting question, I ‘ve never thought about that”.

9. Responda com mais de uma sentença

Quando o examinador lhe fizer uma pergunta, tente responder e adicionar mais informações. Por exemplo, se a pergunta for: “Can you play a musical instrument?” Não responda somente: “No, I can’t”.

Você deve acrescentar mais informações para estender sua resposta um pouco, sem exagerar.

Você deve dizer algo como: “No, I can’t, but I did have guitar lessons once. Unfortunately, I didn’t seem to have much talent for this.”

Para praticar, veja as perguntas de exames anteriores e responda-as em voz alta.

Dicas para teste de writing:

10. Responda ao enunciado

No teste de writing, 25% de seu score será baseado em sua habilidade de responder à questão do enunciado.

Para ajudá-lo nesta tarefa, sublinhe as partes chave do enunciado e faça anotações sobre as informações que você quer incluir para atender a esta questão, antes de iniciar a escrever o seu texto. Faça esse planejamento, no máximo em 3 minutos.

Tenha em mente que suas ideias e opiniões não serão avaliadas. O que será avaliado será sua habilidade em expressá-las.

11. Organização é importante

Outros 25% de seu score será baseado em coerência e coesão, assim, quando planejar seu texto, você precisará:

– Fazer um planejamento de suas ideias, dividindo em parágrafos;
– Usar uma variedade de conectivos: even though, due to, therefore, etc.
– Fazer interligação de sentenças com o uso de pronomes relativos, como: which, it, them, those e etc.
– Deixar claro onde começa e termina um parágrafo. Para isso, melhor deixar o espaço de uma linha em branco entre eles.

O restante de seu score será baseado no seu vocabulário e gramática.

12. Faça revisão

Ao praticar o teste de writing, em casa e quando finalmente estiver fazendo o exame, faça questão de reservar 2 minutos para fazer uma revisão de seu texto para verificar possíveis erros. Você poderá achar erros bobos, que terá facilmente  como corrigi-los.

Certifique-se de que você tenha dado exemplos para dar suporte as suas ideias principais.

Se encontrar palavras repetidas, procure substitui-las por sinônimos.

No último parágrafo, é importante que haja referência a todos os aspectos relacionados ao enunciado, assim como, seus argumentos principais devem estar no corpo do texto.

Durante a revisão, também preste atenção nas pontuações. Erro em pontuações é considerado erro gramatical.

Boa sorte em seus estudos!

Compartilhar:
Por que Professor de Inglês deve fazer o CELTA

Por que Professor de Inglês deve fazer o CELTA

Compartilhar:

Desde que foi introduzido na década de 1960, o CELTA – Certificate in Teaching English to Speakers of Other Languages, antes Certificado em Ensino de Inglês para Falantes de Outras Línguas, tornou-se uma qualificação essencial para o ensino de língua inglesa.

É um certificado com selo de Cambridge Assessment English, departamento de inglês da Universidade de Cambridge, e acreditado pelo Office of Qualifications and Examinations Regulation (OFqual), que regula todos os exames do Reino Unido, além de professores, escolas de idioma e governos.

Por isso, é uma das certificações específicas para professores de inglês de maior credibilidade em todo o mundo, representando um diferencial curricular, capaz de impulsionar a carreira, seja nacional ou internacionalmente.
Essencial para professores de inglês

É indicado para professores com pouca ou nenhuma experiência no ensino do idioma, ou mesmo que tenham experiência, porém não sejam certificados ainda, pois desenvolve habilidades, o conhecimento e a prática de ensino fundamentais para a sala de aula.

O CELTA explora matérias de conhecimento essencial, o alcance de habilidades práticas para ensinar inglês para alunos adultos, além de tudo que é necessário para começar a trabalhar em diversos contextos do ensino do inglês, junto de uma valiosa experiência prática no ensino do idioma para estudantes.

Vantagens de fazer o CELTA

As vantagens são várias, dentre as quais destacamos:

Reconhecido e exigido pelos empregadores

Em um estudo que analisou 600 anúncios de empregos para professores de língua inglesa de 60 países, quase três quartos dos empregadores na Europa, Oriente Médio e África solicitam o CELTA aos candidatos, enquanto no Reino Unido esse número chega a 88%. A pesquisa foi realizada em 2017-2018 e forneceu uma forte prova de que o CELTA continua a ser altamente desejado pelos empregadores.

Os empregadores avaliam os profissionais que passaram pelo CELTA como mais organizados, comprometidos com o ensino e mais confiantes em suas habilidades, além de terem melhor entendimento de gestão de sala de aula, técnicas de ensino, terminologia e gramática.

Atende aos padrões internacionais e é comparável ao treinamento inicial de professores em outras áreas

Duas pesquisas que investigaram os cursos de formação inicial de professores – globalmente (conduzido pela OCDE) e no Reino Unido (concluído por Sir Andrew Carter) demonstraram que, em geral, o CELTA se assemelha à formação inicial de professores em outros campos e áreas.

Isso significa que a qualificação atende às melhores práticas de outras qualificações líderes internacionais de treinamento de professores. Além disso, destacaram a relevância contínua do CELTA para a formação de professores.

Dados que comprovam sua relevância

Todos os anos, dezenas de milhares de futuros e atuais professores de inglês cursam o CELTA em mais de 300 centros em mais de 70 países ao redor do mundo. Veja os dados:

  • 88% dos empregadores do Reino Unido pediram o CELTA para os candidatos, de acordo com pesquisa realizada entre os anos de 2017 e 2018 com anúncios de empregos;
  • Em 2005, 75% das pessoas que faziam o CELTA eram nativos no inglês, índice que caiu para 50% nos últimos anos, mostrando como o curso se tornou valorizado em países de outras línguas;
  • Em 2000, 20% das pessoas que prestavam o CELTA já tinham experiência no ensino, índice que alcançou 60% em 2016;
  • 87% dos professores que fizeram o CELTA disseram que o curso os preparou muito bem para dar aulas, enquanto 99% dos centros e 83% dos tutores se consideraram felizes com o seu conteúdo.

Assim o CELTA se estabelece como um forte diferencial e uma vantagem competitiva na trajetória profissional dos professores, que alcançam suas melhores versões.

CELTA na Target

Se você ainda não tem o CELTA, mas gostaria de fazer, fale conosco, tire suas dúvidas e prepare-se para o exame com o curso CELTA da Target Language para obter sua qualificação de ensino de inglês reconhecida internacionalmente.

Compartilhar:
A importância da Qualificação para Estudantes e Professores

A importância da Qualificação para Estudantes e Professores

Compartilhar:

Uma qualificação internacional como uma certificação comprova a sua fluência e o nível de conhecimento no idioma, de modo a facilitar a busca por melhores oportunidades profissionais, ingressar em multinacionais ou em instituições de ensino internacionais, bem como conseguir vistos para diversos países.

Resumindo, tanto para o mercado de trabalho quanto para o mundo acadêmico, ter uma certificação internacional é um grande diferencial e uma vantagem competitiva. Confira, a seguir, algumas das diversas vantagens dessa qualificação!

As vantagens de um Qualificação Internacional

Reconhecimento internacional

Os testes são oferecidos e os certificados são emitidos por instituições renomadas e reconhecidas internacionalmente. Por esse motivo, são aceitos na maioria das universidades e empresas, nacionais e estrangeiras.

Conseguindo um emprego

Quase todos os empregos hoje em dia requerem o conhecimento em inglês, algumas multinacionais exigem até fluência. Quanto maior a empresa, mais provável que o idioma seja requisitado. O certificado é a prova para o recrutador do estudo do candidato, se tornando um diferencial dentre os que apenas afirmam seu nível.

Diferencial no mercado de trabalho

Em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e cheio de profissionais qualificados, ter uma certificação em inglês é um diferencial importante e contribui para se destacar em processos seletivos, principalmente em empresas multinacionais. Ainda que a empresa não solicite oficialmente uma certificação de proficiência, ela fará o seu currículo se destacar no processo seletivo.

Se já é contratado, o certificado de um curso de inglês pode alavancar uma carreira. Uma empresa com constante comunicação nesse idioma pode necessitar de mais empregados falantes da língua, principalmente se a empresa também está em crescimento. Pesquisas constantes já comprovaram que profissionais que tem maior domínio no inglês têm salários mais altos que colegas com mesmo cargo e nível hierárquico.

Impulsionamento na carreira com a qualificação internacional

A habilidade de se comunicar em mais de uma língua é muito bem vista pelos gestores, então, possuir uma certificação que a comprove pode ajudá-lo a conquistar um novo cargo, mudar para um melhor, e impulsionar a sua carreira. Além, é claro, de possibilitar um intercâmbio ou estudos em universidades estrangeiras.

É bastante comum que cargos maiores, especialmente de gestão, exijam o domínio do inglês. Então, se você está de olho em uma promoção na empresa em que trabalha, ser proficiente pode ajudá-lo a conquistar a tão sonhada posição.

Candidatos proficientes tendem a ser considerados mais qualificados para posições mais altas de gestão devido às suas habilidades comunicacionais em mais de um idioma.

O fato de ter um nível mais avançado em inglês também pode contribuir para recolocações profissionais, como mudança para uma área que exija comunicação em mais de uma língua ou um cargo que tenha adotado o inglês fluente como um requisito.

Ampliação das possibilidades profissionais e acadêmicas

Se o seu objetivo é seguir a carreira acadêmica, a certificação pode ser exigida quando você se inscrever para os programas de pós-graduação. As universidades, tanto no Brasil como no exterior, costumam pedir proficiência em inglês para ingresso no mestrado e doutorado, independentemente da área do conhecimento pretendida.

Além de atestar o seu inglês, estudar para o exame pode ampliar ainda mais suas habilidades de leitura e escrita, fazendo com que você tenha um aproveitamento maior de conteúdos e publicações científicas em língua inglesa e seja capaz de redigir artigos e pesquisas com excelência.

Maior aproveitamento do intercâmbio

Estudar em outro país e ter uma experiência global é sonho de carreira e da vida pessoal. Nesses casos, a necessidade da competência no inglês é mais do que necessária, é obrigação para a maioria dos países. Mesmo se escolher um destino com outro idioma, inglês é universal e é útil para se comunicar com outros estrangeiros, tirar dúvidas que não seja capaz no idioma local ou até para aulas que sejam feitas em inglês.

As universidades americanas e inglesas determinam uma nota mínima para quem deseja ingressar nos programas de graduação e pós-graduação, portanto, antes de procurar um exame de certificação, informe-se sobre as notas exigidas nas instituições que você está mirando e quais os testes que elas aceitam.

Se você tiver um visto que permita que você trabalhe, uma certificação de proficiência em inglês pode tornar mais fácil conseguir um emprego, pois garante as suas habilidades comunicacionais na língua nativa do país, ou seja, seu intercâmbio vai render muito mais!

Cursos Target

Em uma realidade em que várias pessoas aprendem o idioma por conta própria, pelo contato natural com a língua, investir em um curso com certificação é se preparar para o futuro e obter um diferencial vantajoso. Qualquer que seja o caso, o curso com certificado em inglês abre muitas portas!

Você está pensando em estudar para adquirir uma das certificações em língua inglesa?

A Target Language oferece diferentes tipos de curso preparatório para as certificações. Entre em contato conosco, tire suas dúvidas e venha se preparar para uma qualificação internacional que melhor se adéque ao seu perfil!

Compartilhar: